Chegamos na sala de estar, socorro!

Sou maravilhosa, barganhei esse cabo e foi quase de graça!
Ué, eu já tinha um desses?
A que ponto eu cheguei?!?!

 

 

 

 

 

 

 

Aos 19 anos eu saí de casa. Para desespero da minha mãe, eu nem busquei o resultado do vestibular, pois já estava decidida a sair do país. Em Berlim é muito fácil arrumar um lugar para morar, então em 2 anos, eu me mudei 4 vezes (huahuahua). Fui para Alemanha com uma única mala pesando 40Kg. Já a caminho da quarta moradia, mal conseguia dar conta da mudança! Sempre me perguntava: Como eu tenho tantas coisas? Eu não compro nada… HAHHAHAHAHAHHA aquela ingenuidade, que saudade dela! Nem vou enrolar vocês com a desculpa de ter muitos livros e muito menos alegar que roupa de frio (lá é mega muito frio) pesa e faz volume. Está mais do que comprovado que somos gastadeiros! Moderados ou assíduos, assumidos ou não assumidos, quando nos damos conta, já era!

E a sala de estar, o que tem a ver com isso? Já repararam como que não importa o tamanho da sala, esse cômodo é campeão em acumular um monte de coisas com enorme potencial de acabar no lixo? Pois é, mesmo toda a minha experiência em mudanças não foi suficiente, mas hoje, como adepta do Desperdício Zero e do mantra (recusar-reduzir-reutilizar-reciclar), tenho muito orgulho de apresentar uma sala com máxima redução de lixo (yeah). Vamos a lista!

Primeira coisa: o que você faz na sua sala? Quais são suas atividades nesse cômodo?

É isso que vai definir o que vai compor o espaço, todo o resto é supérfluo (calma!).

Na minha sala de estar eu recebo amigos, assisto a filmes, ouço música e leio livros (basicamente isso). Ou seja, eu preciso de um local confortável para receber a galera e para fazer essas atividades acima listadas. Então separei tudo que compunha essa configuração dando prioridade aos itens com mais de uma funcionalidade, tirei os excessos e voilà!

Móveis

Participação especial da minha gata Blanche.

Quanto mais móveis, mais superfícies a serem limpas, mais espaço pra colocar lembrancinhas de viagem acumuladoras de poeira, mais espaço pra esconder bagunça, acumular… Socorro! Na verdade eu só preciso de um lugar aconchegante pra sentar (sofá), algum móvel lateral (mesa lateral), outro pra acomodar os aparelhos eletrônicos (rack) e luz (luminária).

solução: desapegar, fazer bazar, doar e multi-funcionalidade dos móveis!

sofá: escolhi um sofá-cama por receber muitos amigos de fora do Rio, mas não precisa ser de 4 lugares. 2 lugares está perfeito para o dia a dia. Mandei fazer uma capa, para preservar por mais tempo o sofá. Contratei uma empresa de limpeza após 5 anos com o móvel e está como novo. Eu sentia falta de alguma coisa pra apoiar as pernas (durante um filme, por exemplo) e não queria mesa de centro, pois já tenho mesa lateral. Então optei por um pufe que serve para os amigos sentarem também (exemplo de móvel com mais de uma funcionalidade). Vendi minhas almofadas bonitinhas e pequenas (mas inúteis) por umas maiores que acomodam melhor.

mesa lateral: mamis tinha uma linda sobrando e pedi emprestado (só que nunca devolvi- rs). Detalhe que foi aquisição de antiquário, ou seja, já era de reaproveitamento.

Vaso e suporte achados no lixo do meu prédio!

luminária: Maior achado da vida. Sempre amei essa luminária década de 60 (parte verde) e os antiquários cobram uma fortuna (R$200) por umas bem maltratadas. Essa estava tão quebrada que paguei R$50 (e ainda achei caro). Achei um profissional – Sérgio Muniz Guedes (@ateliersergiomunizguedes link) que trabalha com reutilização de várias coisas e faz luminárias lindas. Ele topou o desafio e agora eu tenho 2 em 1 (funcional!!!)! Pode prender com gancho no escritório ou usar o pé de madeira (quem procura, acha!)

plantas: algumas espécies ajudam a purificar o ar do ambiente. É o caso da Espada de São Jorge e Lírio da Paz (que resgatei do LIXO) link. Tenho 4 vasos na sala, pra dar uma ajuda aos meus pulmões. Reutilizei (upcycling) latas de tinta e forrei com tecido, usei terra da minha composteira, achei um suporte de ferro e um vaso de barro lindos na lixeira do prédio e deu um super charme. Hoje prefiro plantas na decoração do que objetos.

rack: vendi todas as estantes que tinha com livros (foram para o armário do post do corredor link), coleção de CD e objetos de decoração e deixei somente o rack. Na boa, visual mais leve e menos trabalho pra limpar tudo.

————————-

Aparelhos eletrônicos

Inferno atual (era 50% maior),

solução: reduzir!

QUANTO CABOOOOOOO!!!!!!! QUANTO CONTROLE REMOTOOOOO!!!!! Queridos seres, dotados de inteligência high-tech, é muito pedir que tudo seja sem cabo e que eu só precise de um controle remoto? Já não aguentava mais aquela situação. Pra cada controle era uma pilha diferente! Pra cada mídia nova, um aparelho ficava obsoleto (VHS-DVD-BLUE RAY…). Fora que os cabos quebram e a conexão fica ruim, aí tem que comprar outro cabo e o que você faz com o antigo? De repente sua casa vira um ninho de cabos, que nem ao menos são coloridos pra dar uma animada no ambiente. Tudo preto e alguns brancos (cadê o arco-íris da alegria?). Vendi tudo! Mantive a televisão e barganhei um Apple TV da minha tia que estava sem uso. Tasca live stream e online em tudo! Os Cds e DVDs eu ponho no computador e transmito a imagem para a televisão (modernidade YES!!!!). É o fim de uma era de cabos e controles.

—————————-

DVD/CD/LP/ETC

Sobreviventes originais!

solução: revolução digital!

Tão lindas aquelas fotos de revista de decoração, com estantes cheias de CDs a mostra! Mas a realidade é POEIRAAAAAAAA!!!!!! Doei tudo! Calma (rs). Mantive os LPs! Passei todos os meus CDs para o HD externo do computador e guardei somente as trilhas sonoras. Se quiser ouvir, basta ligar na caixa de som que é a mesma do toca disco (multi-funcional bombando nesse blog!!!). Salvei os DVDs mais especiais que não acho com facilidade na internet e os outros eu doei também. Eu não baixo nada, assisto por netflix ou alugo online. Obrigada tecnologia! Love you!!!!

Um dos melhores álbuns nacionais da atualidade. Artista: Maria Bravo / Álbum: de pai pra filha

Um pequeno detalhe, CD e DVD arranham e travam nos aparelhos. Por isso acabam virando lixo. Não tem reciclagem adequada na maioria dos países e são super tóxicos. Fora aquelas caixas de plástico etc. Eu amava locadoras, mas realmente devemos levar em consideração o descarte (inevitável) desses itens. No Brasil 1,4 milhão de lixo eletrônico foi produzido em 2014 e nada disso vai se decompor, vai ficar no mundo pra sempre (aterrado em algum lugar ou ao ar livre, longe dos olhos dos privilegiados). Com o calor, vai derreter e deformar, mas não vai desaparecer. Imagina essa proporção em 2050? Olha que interessante a iniciativa da Step, parceria entre a ONU, ONGs e governos link. Eles desenvolveram um mapa mundial de lixo eletrônico.

Achei alguns sites de filmes em preto e branco grátis como o Black and White Movies  link e retomei o hábito de ir ao cinema (bem mais legal, aliás).

———————–

Pilhas

Não consigo entender como que ainda existem pilhas! Hoje existem muitos aparelhos recarregáveis por USB como isqueiro e até sinalizadores de bicicleta. Bom, tem sempre uma bateria dentro. No entanto, considero menos pior recarregar uma bateria (você já pode usar energia solar, existem mini placas que cabem na bolsa) que tem durabilidade maior, do que uma pilha que acaba rápido e é difícil de reciclar. Please, vamos considerar as pilhas recarregáveis para nosso uso doméstico? De fato, com a redução dos aparelhos que dependem dela, já ajuda muito. Dentro das pilhas tem diversos metais pesados (eles mais uma vez!) e, caso haja reciclagem (vejam esse artigo que explica o processo link), podem ser extraídos e revendidos. Vejam esse link da E-Cycle link. Depende do país e da cidade, por isso é preocupante. É o tipo da coisa que depende do governo e… bem… está um pouco difícil de contar com nosso governo atualmente, convenhamos.

——————————-

Lâmpadas

Até que eram charmosas!

Alguém aqui sabe a diferença entre uma lâmpada incandescente/halógena/fluorescente/LED? HA! Pois preparem-se para uma formação the flash no assunto! Lâmpadas incandescentes (aquelas arredondadas antigas), halógenas (aquelas que parecem um disco voador ou um palito), fluorescente (bastão enorme de cozinha ou meio labirinto ou espiral), LED (ecologicamente correta e é isso que importa!). A empresa Apliquim Brasil Recicle está de parabéns pelas informações super completas sobre tudo do assunto (link reciclagem e link sobre lâmpadas), agora só falta atenderem o telefone (não vou desistir!). A questão é que as lâmpadas passaram de sugadoras de energia para mais econômicas, porém mega poluidoras. Em seguida de super econômicas e poluidoras para mais caras e ecologicamente corretas. As LED não usam metais pesados, mas sim transformam a energia que sai do fio direto em luz (explicando resumidamente). A reciclagem depende do descarte correto e isso, seu prédio não vai fazer por você. Sim, você vai ter que separar, acumular e descartar em locais que recolhem, por exemplo na Leroy Merlin link.

———————-

Essas foram minhas escolhas para minha casa. Eu reduzi ou me livrei de tudo que tem potencial de virar lixo, procurei o local correto de descarte (vai ter um post com a lista completa), dei preferência a um ambiente sem excessos e mais fácil de limpar e definitivamente aderi a tecnologia como minha aliada nessa saga. Foram escolhas pessoais, cada um sabe o que é melhor para si.

OPAAAAA, será que eu ouvi a frase “dá trabalho”???  Hum… será que não-poluir não é nosso dever como cidadão? Não estamos acostumados. Na maioria das vezes, o porteiro recolhe tudo e simplesmente desaparece. Mas já vimos que não é assim que funciona. Vamos refletir, nos informar e buscar as soluções corretas, para o que tem solução pelo menos 😉

Sempre bom lembrar: só existe um único planeta e todos nós moramos nele. O ar que respiramos é o mesmo, assim como todas as nossas fontes de sobrevivência.

Preparem-se para a sala de jantar no próximo post 😛

Talvez você também goste

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *